logo 02

Cachoeira com ares de poesia e livros festeja abertura oficial da Flica

Secretário Jorge Portugal mediou mesa de abertura e lançou site e publicações do Mapa da Palavra.BA

 

Foto: Tomaz Neto/Funceb


A cidade de Cachoeira respira letras. Artistas da palavra, estudantes, gestores de cultura, visitantes e autores participantes da programação movimentam a cidade histórica desde a largada da sexta edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), na tarde desta quinta-feira (13), no Convento do Carmo. O secretário de Cultura Jorge Portugal iniciou os trabalhos dando viva a Bob Dylan, nomeado vencedor do Nobel de Literatura, neste dia.

“Tenho uma paixão natural pela Flica, eu que pessoalmente já estou nela há cinco anos seguidos. A Festa é um paraíso pensado por aqueles que amam o conhecimento”, considerou o secretário. Portugal recebeu no palco o secretário de Turismo, José Alves, antes de atuar como mediador da mesa de abertura da programação oficial, com a escritora Mary Del Priore, sob a temática Histórias da Gente Brasileira, homônima à obra em foco.

“Resolvi fazer as pessoas contarem sobre a vida delas”, descreveu a escritora, sobre o método de trabalho adotado para escrever sua série de quatro volumes sobre o Brasil colônia. Assim, ao invés da busca por historiadores, a escritora buscou o registro memorial, colhendo depoimentos e montando um perfil pulsante da formação de um país.

Mapa da Palavra.BA - Antes da mesa com a autora, Jorge Portugal, ao lado da diretora da Funceb, Fernanda Tourinho,  fez o lançamento do site e de publicações do Mapa da Palavra.BA, projeto de mapeamento da Coordenação de Literatura/Dirart da Funceb que objetiva incentivar a literatura na Bahia.

 “No ano passado nós lançamos o mapa, uma ação da coordenação de Literatura da Funceb e, após a primeira etapa, quando abrimos para inscrições, agora apresentamos os primeiros resultados, o site e publicações do Mapa da Palavra.BA”, anunciou Fernanda Tourinho, destacando que o cadastro é um processo dinâmico, que terá outras etapas de inscrições, incluindo as diversas formas de expressão escrita.

A partir do lançamento na Flica, já se tornou possível consultar o site, com o registro de 170 artistas da palavra. Destes, 32 têm textos publicados na revista CartoGRAFIAS, que teve quatro edições lançadas e distribuídas na Flica.

De cabeça para baixo - Baseada em histórias reais, reunidas a partir de depoimentos de personalidades de várias partes do Brasil – na Bahia, os de Pedro Calmon, Hildegardes Viana, dentrre outros, Mary Del Priore desvendou um universo de informações que não estão na história oficial do Brasil. Virar “a sociedade brasileira de cabeça pra baixo” foi inspiração para a pesquisadora, que tratou, na mesa da Flica, de questões como sexualidade, comércio, remédios. “Na colônia, povos de várias partes do mundo viviam juntos, numa sinestesia”.  

“Nós estamos acostumados a estudar história do Brasil através do plano geral. O que este livro nos traz é a câmera do detalhe. Destampa a panela para a gente sentir o cheiro, mostra o buraco da fechadura dos quartos dos nobres”, comentou divertido Jorge Portugal, admirador da série.

  1. FAZCULTURA– Parceria entre a SecultBA e a Secretaria da Fazenda (Sefaz),o mecanismo integra o Sistema Estadual de Fomento àCultura, composto também pelo Fundo deCulturada Bahia (FCBA). O objetivo é promover ações de patrocínio cultural por meio de renúncia fiscal, contribuindo para estimular o desenvolvimento cultural da Bahia, ao tempo em que possibilita às empresas patrocinadoras associar sua imagem diretamente às ações culturais que considerem mais adequadas, levando em consideração que esse tipo de patrocínio conta atualmente com um expressivo apoio da opinião pública.

 “Vozes de Itapagipe” tem lançamento no Espaço Cultural Alagados

O repertório do CD é formado por 11 canções que retrata a Península de Itapagipe

 


 

Com o objetivo de desenvolver a cultura musical, revelar talentos, valorizar compositores e intérpretes da região de Itapagipe, bem como divulgar o território a partir de composições que amplie a relação de identidade e diversidade cultural local, os cantores e compositores da região da Península de Itapagipe, na cidade baixa, em Salvador, lançam seu 1°CD ”Vozes de Itapagipe”, no Espaço Cultural Alagados, no próximo dia 15, às 19h.

O repertório do CD é formado por 11 canções que retrata a Península de Itapagipe e todos os elementos que a representa, a exemplo do mar, manifestações populares, paisagem, religiosidade. A produção musical teve direção do cantor e compositor, Mauricio Lourenço, itapagipano. Os arranjos musicais integram a ancestral tradição periférica africana das palafitas, bem como os ritmos, estilo e concepção musical presentes nas manifestações já existentes neste território cultural, como, a lavagem do Bonfim e o Encontro do Jegue de Cueca e da Jega de Calçola.

O evento é uma das ações do Projeto de Fortalecimento da Rede de Cultura de Itapagipe, que faz parte da Comissão de Articulação e Mobilização dos Moradores de Itapagipe (CAMMPI), e vem sendo desenvolvido pelo Centro de Arte e Meio Ambiente (CAMA). Este projeto tem patrocínio do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, da Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

O edital foi direcionado para compositores e músicos locais que tiveram a oportunidade de apresentar músicas inéditas e originais. A seleção contou com a participação especial da cantora e compositora, oriunda da cidade baixa, Margareth Menezes. Foram selecionadas 10 músicas e a décima primeira é uma homenagem do produtor musical Mauricio Lourenço ao CD.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturaisbaianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturaisde iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse:www.cultura.ba.gov.br

Serviço:


O quê: Lançamento do CD “Vozes de Itapagipe”

Quando: sábado (15), às 19h
Onde: Espaço Cultural Alagados

Almira Reuter Foto Renata Rocha

Exposição de Almira Reuter retrata a imigração italiana no Brasil

A artista plástica mineira Almira Reuter expõe suas obras sobre a imigração italiana no Brasil na exposição “Mémorias do Brasil Almira Reuter”, no dia 18 de outubro, às 18h30, na prestigiada Galeria Tibaldi Arte Conteporanea em Roma, na Itália.

Abaixo, o crítico de arte César Romero expõe o seu ponto de vista através do texto Homenagem e Cultura, sobre a artista e a exposição.

Homenagem e Cultura

Almira Reuter a cada exposição muda o assunto, apenas a aparência, permanece a natureza das coisas. A artista é uma contadora de histórias, tem essa vocação memorialista e indo expor na Itália, ela de origem alemã, decidiu homenagear o povo italiano no processo imigratório a partir de 1900, nesta sua exposição “Almira Reuter Memórias do Brasil”. Estudou cuidadosamente o tema, das embarcações que chegavam, das esperas no cais, das trilhas a andar, das viagens de trem, caminhão até as lavouras de café, uva, para a sobrevivência. Era a mão de obra livre, quando se anunciava o fim próximo da escravidão.

Almira faz homenagem a personagens do cinema como Mazzaropi ator e cineasta, filho de imigrantes italianos, O Lambe-lambe uma forma de arte urbana antiga, que hoje ganha espaço nas decorações temáticas. Também a pintores como Chagall, Volpi e Portinari e ainda Pietro Maria Bardi e Lina bo Bardi, todos de ascendência italiana.

A cultura brasileira é plural, os imigrantes todos eles, contribuíram tanto com nosso desenvolvimento industrial como nossa cultura.

Nos estudos sobre cultura que significa no latin cultivar, tem-se de forma escrita, 167 definições diferentes. Sabe-se claramente que cultura não é um ideal da elite, mas todo um complexo que acumula informações, crenças, arte, lei, moral, costume, hábitos e aptidões que são assimiladas pelos indivíduos que formam a sociedade.

Depois da segunda guerra mundial abriram-se perspectivas para novos tempos em que a cultura se firma como um novo ideal, buscando eliminar as diferenças entre os povos, direcionando-se a uma realidade mais humanitária no mundo, no intercâmbio das mais diversas estéticas e encontros. Todas as áreas das artes formam referência e memória aprofundando essência individual e coletiva, buscando permanência e proteção guardando nosso patrimônio material e intangível. Nosso espirito nativo é história.

A cultura é o grande ideal de um povo. Sem ela não se concebe uma noção de pátria e pertencimento. No Brasil podemos pensar numa cultura endógena, de alma popular traduzida por nossas crenças, lendas, fábulas, mitos, religiosidade e pessoalidade.

Almira cuida das personagens com profunda ternura num expressionismo comovente, cada personagem tem tratamento especial seja na forma, seja na cor. A artista não tem pressa no seu fazer, vai lentamente compondo as cenas, com extremado cuidado. Madrugadas inteiras no diálogo com os pincéis e as tintas, criando estampas, desenvolvendo ideações.

Almira une culturas e cultura é criação e informação, é aparelhar e instrumentalizar o homem para uma vida melhor.

Serviço

Exposição “Memórias do Brasil Almira Reuter”

Data: 18 de outubro (terça-feira)

Horário: 18h30

Local: Tibaldi Arti Contemporanea

Endereço: Via Panfilo Castaldi, nº 18, 00153 – Roma, Italia

Imagem inline 1Largo Pedro Archanjo recebe tribuno aos Novos Baianos. Foto: Ana Dumas.

Música para todos os gostos, gastronomia e diversidade dão o colorido da semana de primavera no Pelourinho. Entre os destaques estão o encontro de Curumim, Anelis Assumpção e Márcia Castro em uma homenagem aos Novos Baianos, o Pagode da Mulher Solteira, que une feira gastronômica e música, e o show de Liniker, um dos grandes fenômenos da música atual. A programação é apoiada pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, através do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI).

 

Sexta-feira (07), o samba da banda Aro 7 retorna ao Largo Quincas Berro D'água para animar o público num show super divertido que começa às 20h e é gratuito. No Largo Pedro Archanjo, às 21h, acontece o projeto Dê um Rolê. Promovido pelo coletivo Coreto Sounds, o evento reúne Curumim, Anelis Assumpção e Márcia Castro para um tributo aos Novos Baianos, acompanhados pelos músicos Saulo Duarte (guitarra), Webster Santos (violão, bandolim e guitarra), Klaus Sena (baixo) e Michelle Abu (percussão). Os ingressos custam R$ 60 e R$ 30 - 3º lote.

Sábado (08), uma boa pedida é o show da banda Samba do Pretinho no Largo Pedro Archanjo, às 19h. A entrada é gratuita. A cantora Amanda Santiago  comanda o show As de Ouro no Largo Tereza Batista, às 21h, a apresentação tem como principal componente a percussão. Ingressos a R$ 20 e R$ 10. A banda Circuladô conduz o Projeto Prosa e Musicalidade no Largo Quincas Berro D'Água, às 20h. Samba de raiz, chorinho e música nordestina dão o tom da festa. Ingressos a R$ 10 e R$ 5.  

 

  1. Domingo (09), a tarde será de samba e solidariedade com a terceira ediçãoProjeto Rede do Bem, que acontece no Largo Pedro Archanjo, às 15h. Entre as atrações estão as bandas Samba de Verdade, Samba do Pretinho e Samba Trator. O acesso será através da doação de 1 kg de alimento. O Largo Tereza Batista recebe mais um ensaio do Bloco Olodum, às 14h, com o tema Outubro Ujaama. O cantor EdyVox está entre os convidados especiais. Ingressos a R$ 50. E a 5ª Festa de Gastronomia e Samba Pagode da Mulher Solteira acontece no Largo Quincas Berro D'Água, a partir das 13h. Além de aproveitar uma deliciosa feijoada, o público vai curtir o som de Filosofia de Quintal e Pagode da Santa, com participações de Fuzukda, Baixinho (AGF), Bira (Negros de Fé), Katulê, Samba do Pretinho, Bom Balanço e Leandro Guerrilha. A entrada individual custa R$ 40, e R$ 70 a casadinha.

 

Mais Pelô

 

 

Serviço

 

Dê um Rolê - Curumim, Anelis Assumpção, Márcia Castro e Michele Abu

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quando: Sexta-feira, 07 de outubro, 21h

Quando: R$ 60 R$ 30 - 3º lote

Aro 7

Onde: Largo Quincas Berro D'água

Quando: Sexta-feira, 07 de outubro, 20h

Quando: Gratuito

Samba do Pretinho

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quando: Sábado, 08 de outubro, 19h

Quando: Gratuito

Amanda Santiago  

Onde: Largo Tereza Batista

Quando: Sábado, 08 de outubro, 21h

Quando: R$ 20 e R$ 10

Circuladô

Onde: Largo Quincas Berro D'Água

Quando: Sábado, 08 de outubro, 20h

Quando: R$ 10 e R$ 5

Projeto Rede do Bem - Samba de Verdade, Samba do Pretinho e Samba Trator.

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quando: Domingo, 09 de outubro, 15h

Quando: Acesso através da doação de 1 kg de alimento

Bloco Olodum

Onde: Largo Tereza Batista

Quando: Domingo, 09 de outubro, 14h

Quando: R$ 50

5ª Festa de Gastronomia e Música do Pagode da Mulher Solteira

Onde: Largo Quincas Berro D'Água

Quando: Domingo, 09 de outubro, 13h

Quando: R$ 40 individual e R$ 70 casadinha

Gerônimo

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quando: Terca-feira, 11 de outubro, 21h

Quando: R$ 20 e R$ 10

Liniker e os Caramelows

Onde: Largo Tereza Batista

Quando: Terça-feira, 11 de outubro, 20h

Quando: R$ 60 e R$ 30

Na Varanda

Onde: Largo Quincas Berro D'Água

Quando: Terça-feira, 11 de outubro, 20h

Quando: Gratuito